Um lindo rebanho Guzerá

Esta foto foi na Fazenda Morumbi, em Luziânia -GO. Pedi ao Leizer, o criador que me contratou – posso demorar mais e fazer uma foto boa de verdade? Ele confiou e falou pode.
Fui procurar um local com um estreitamento no caminho, onde o lote de vacas  tivesse que formar um bloco mais fechado na frente. E onde, eu, num plano mais alto, não veria somente a primeira linha de vacas. A foto teria que mostras as vacas do meio do lote e as do fundo. Teríamos volume. Fomos de madrugada para o lugar. Mas não tinha poeira. Nem a luz entre as folhas.
Lembrei do grande fotógrafo de natureza, o meu amigo Luiz Cláudio Marigo – ele dizia que a luz boa para fotografar dentro da  mata era a do sol a pino. Assim a luz vaza por entre as folhagens e ilumina o chão. Voltamos depois das 11 da manhã. O orvalho tinha secado. O gado já levantava a poeira que dava a poesia que eu queria…
Tirei do lote umas vacas com bezerro – as melhores vacas de leite dão muito de de si pardas em regime de campo no cerrado… Ficam mais magras. E veio esta beleza de vacada.
Por alguma razão, as pessoas gostam de ver os animais caminhando numa mesma direção. Quem sabe algum sentimento de segurança ancestral na época em que era fundamental prever o comportamento das manadas. Mas mesmo hoje, todo mundo gosta de ver os grupos de animais caminhando numa mesma direção. Quem sabe o senso antigo de segurança originou milênios depois o nosso senso de estética? Ambos são, cada qual da sua maneira, agradáveis.
Fizemos várias tentativas. Nas primeiras, algumas vacas correm. Depois, mais cansadas ou mais tranquilas, caminham devagar.  A equipe tem que ter paciência.
Uma coisa é certa – o primeiro plano em foco e o final da foto desfocado e com poeira levam as pessoas a ter mais interesse nas fotos. Já constatei isto nas exposições. Não sei se há um mistério ou uma poesia na poeira. Não sei se a informação gráfica da foto fica incompleta e as pessoas começam a pensar para tentar completar a mensagem. Mas as fotos assim são vistas por mais tempo…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido.